domingo, 4 de agosto de 2013

Deus Descansou no Sétimo Dia

por Gary Greenberg


Mito #16: Deus Descansou no Sétimo Dia
O mito: E no sétimo dia Deus terminou a sua obra que tinha feito, e descansou no sétimo dia de toda a sua obra que tinha feito. (Gn 2:2)

A Realidade: Deus não tirou um dia de descanso.

Independentemente de se Deus santificou o sétimo dia ou oitavo dia, ainda temos que perguntar se Deus realmente descansou nesse dia santificado. Afinal, que necessidade é que uma divindade onipotente tem que se sentar e relaxar?

Uma leitura cuidadosa do texto bíblico real parece contradizer a ideia de um dia de descanso. Ele diz que “no sétimo dia Deus terminou a sua obra que tinha feito”, e então ele descansou. Mas se a criação da humanidade constitui o ato final neste enorme esquema de eventos, a Bíblia deveria dizer que Deus terminou seu trabalho no sexto dia, o dia da conclusão. Em vez disso, o texto diz que ele terminou o trabalho no sétimo dia.

O texto implica que Deus realizou atos adicionais depois que ele criou a humanidade. A referência para terminar o trabalho no sétimo dia pode ter resultado de edição desleixada da história original em que Deus criou a humanidade no sétimo dia, em vez de no sexto.

Esse erro segue de perto os esforços para criar um sábado no sétimo dia. A fim de inserir um dia de descanso para Deus, os escribas bíblicos tiveram de combinar os acontecimentos do sexto (animais) e sétimo (a humanidade) dias juntos. Ao fazer isso, o escriba esqueceu esta pequena frase: “E no sétimo dia Deus terminou a sua obra que tinha feito”, que surgiu após a criação da raça humana no sétimo dia. O escriba esqueceu de mover essas palavras ao final do sexto dia após ter combinado a atividade do sétimo dia do (a humanidade), com os acontecimentos do sexto dia.

Pode haver um precedente do Oriente Médio para essa crença de que o sábado e o dia de descanso estão intimamente interligados. Uma provável explicação vem do Enuma Elish, o épico da criação babilônica. Nele, Marduk, que derrotou seus inimigos e tornou-se principal divindade da Babilônia, convocou o deus Kingsu, um dos líderes da oposição, e como uma punição cortou ele em pedaços. De seu sangue, a humanidade foi criada, e Marduk impôs à humanidade o dever de servir aos deuses. Em uma passagem ecoando a alegação bíblica de que Deus descansou depois de criar a humanidade, encontramos a seguinte passagem do texto babilônico.

Que tirou o jugo imposto sobre os deuses, seus inimigos;
Quem criou a humanidade para libertá-los;
Possam suas palavras perdurar e não ser esquecidas;
Na boca da humanidade, a quem suas mãos criaram.

Em outras palavras, depois de Marduk criar a humanidade, os deuses ficaram livres para descansar. Esta tradição babilônica está em paralelo ao relato bíblico. Ambas as histórias mostram que os deuses descansam após a criação dos seres humanos. No relato da Babilônia, Marduk criou os seres humanos para agir como servos dos deuses e atender às suas necessidades, liberando os deuses de seu trabalho. Em Gênesis, Deus descansou depois da criação dos seres humanos, mas não condena a humanidade à servidão. Naturalmente, a tradição posterior bíblica afirma que Deus e Israel tinha uma aliança especial com Israel dedicada a servir a Deus.

Embora seja verdade que na história da Babilônia os humanos não descansam junto com os deuses, como os hebreus são obrigados a fazer pelos Dez Mandamentos, o relato em Gênesis fala só sobre Deus repousando e não diz nada específico sobre os seres humanos abstendo-se de trabalho. Que a humanidade devia descansar entrou na tradição bíblica, muito mais tarde, talvez não antes do século VII a.C




****

Outros artigos que podem lhe interessar:

Cf. Adão foi Feito do Pó da Terra
Cf. Adão e Eva: O Primeiro Casal Humano
Cf. Deus Criou o Homem à sua Imagem e Semelhança
Cf. Jesus Cristo como Mito Judaico
Cf. O Mito da Guarda no Túmulo de Jesus

FONTE: 101 Myths of the Bible How Ancient Scribes Invented Biblical History de Gary Greenberg, pp. 39-40. Tradução de Eduardo Galvão Junior.


SOBRE O AUTOR:

Gary Greenberg é o autor de vários livros altamente elogiados na história bíblica, incluindo os clássicos populares bíblicos 101 Myths of the Bible: How Ancient Scribes Invented Biblical History and The Moses Mystery: The Egyptian Origins of the Jewish People. Suas obras foram traduzidas para várias línguas.

Ele é presidente da Sociedade de Arqueologia Bíblica de Nova York e membro do Jesus Project, uma organização de estudiosos bíblicos preocupados com questões relacionadas com o Jesus "histórico". A série da National Geographic Television, Science of the Bible, teve Greenberg como um consultor e também um documentário sobre a história de Caim e Abel. Ele também tem sido um convidado em inúmeros programas de rádio e televisão nos EUA, incluindo o Diário de Tony Brown em PBS, e provou ser um orador provocativo e divertido e debatedor qualificado.

Ele é membro de várias organizações acadêmicas, incluindo o Society of Biblical Literature, the Archaeological Institute of America, the Historical Society, and the American Research Center in Egypt. Ele tem artigos publicados em diversas revistas científicas, incluindo o the Journal of the Society for the Study of Egyptian Antiquities, KMT e Discussions in Egyptology e apresentou trabalhos em várias conferências acadêmicas, incluindo as reuniões anuais da International Society of Biblical Literature and the American Research Center in Egypt.

12 comentários:

  1. Olá, Eduardo. Eu tenho uma dúvida. Aqui você escreveu: "Uma leitura cuidadosa do texto bíblico real parece contradizer a ideia de um dia de descanso. Ele diz que “no sétimo dia Deus terminou a sua obra que tinha feito”, e então ele descansou. Mas se a criação da humanidade constitui o ato final neste enorme esquema de eventos, a Bíblia deveria dizer que Deus terminou seu trabalho no sexto dia, o dia da conclusão. Em vez disso, o texto diz que ele terminou o trabalho no sétimo dia." Eu não sei se no "original" em hebraico está assim(aí minha dúvida pode ser descartada), mas caso não esteja, vejamos:
    NVI(GN 02:1,2,3)- Assim foram concluídos os céus e a terra, e tudo o que neles há.
    No sétimo dia Deus já havia concluído a obra que realizara, e nesse dia descansou.
    Abençoou Deus o sétimo dia e o santificou, porque nele descansou de toda a obra que realizara na criação.
    ACF(GN 02:1,2,3)- Assim os céus, a terra e todo o seu exército foram acabados.
    E havendo Deus acabado no dia sétimo a obra que fizera, descansou no sétimo dia de toda a sua obra, que tinha feito.
    E abençoou Deus o dia sétimo, e o santificou; porque nele descansou de toda a sua obra que Deus criara e fizera.
    Bem, nessas duas traduções, deu-me a entender que Deus terminou suas obras no sexto dia e que no sétimo, por já ter terminado toda sua obra, descansou. Não consegui visualizar onde se encaixa a explicação: "O texto implica que Deus realizou atos adicionais depois que ele criou a humanidade."
    Repetindo, caso no "original" não esteja como nas traduções que postei, descarte minha observação.
    Abraço do fiel leitor Leandro e não pare com suas pesquisas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obg pela comentário Leandro, sua dúvida pode ser a de outros também. Bom, um dos motivos de ter até então evitado traduções diretas dos livros é que não tenho controle sobre eles, apenas traduzo. Dessa forma, muitas coisas podem ficar “sem resposta” porque talvez o escritor não tenha “fechado” o texto. Usamos esse termo “fechar” quando desenvolvemos um artigo, uma tese, e o lemos com olhos críticos observando de antemão quais pontos poderiam ser criticados ou mal compreendidos.

      Quando escrevo meus artigos, busco eliminar todas as brechas, para que o texto seja auto-explicativo e não haja buracos onde outros possam contra-argumentar, falamos também de “amarar o texto”.

      Na verdade, a questão também está no hebraico, mas mesmo numa tradução podemos perceber isso. Vou transliterar e traduzir literalmente para você ver:

      vay•Chal [terminou] E•lo•Him [Deus] bai•Yom [dia] hash•she•vi•'I [e no sétimo] me•lach•To [sua obra] 'a•Sher 'a•Sah [que ele tinha feito] vai•yish•Bot [e ele descansou] bai•Yom [dia] hash•she•vi•'I [no sétimo dia]

      Tradução: Ora, havendo Deus completado no dia sétimo a obra que tinha feito, descansou nesse dia de toda a obra que fizera.

      O que Greenberg argui aqui é que o texto diz que Yahweh concluiu a criação no sétimo dia [hebr.: hash•she•vi•'I] e descansou. No entanto, no capítulo anterior, Deus concluiu no sexo dia e descansou no sétimo.

      "E a todos os animais da terra, a todas as aves do céu e a todo ser vivente que se arrasta sobre a terra, tenho dado todas as ervas verdes como mantimento. E assim foi. E viu Deus tudo quanto fizera, e eis que era muito bom. E foi a tarde e a manhã, o dia sexto." (1.30 e 31)

      Dai, entra o capítulo II, dizendo:

      "Assim foram acabados os céus e a terra, com todo o seu exército. Ora, havendo Deus completado no dia sétimo a obra que tinha feito, descansou nesse dia de toda a obra que fizera." (2.1 e 2)

      Essa contradição pode ter ocorrido devido ao acréscimo do mito mesopotâmico de divindades que descansaram depois da criação do homem e ao incluir essa ideia, se chocou com os outros textos. A diferença é mínima – tanto que mesmo lendo anos e anos quando cristão, nunca havia percebido isso – mas é uma diferença significativa.

      Em hebraico é bem visível, mas também consigo enxergar de forma nítida em português.

      Excluir
    2. Vejamos essa afirmação na LINGUA ORIGINAL

      “Vayekal ‘Elohiym “e terminou Deus” Bayyom “no dia” Hashebiy’iy “o sétimo” Mela ‘kto ‘asher, “sua obra”.

      Estas palavras na língua original são claras e não deixam margem para dúvidas; Deus realmente trabalhou no dia de sábado.

      O fato de em Êxodo 20.11 dizer que ele terminou a obra no sexto dia pode ser explicado através do costume judaico de arredondar os números. Visto que Deus trabalhou apenas parte do sábado, como podemos ver por inferência, o escritor arredondou o número dizendo que Ele (Deus) terminou no sexto dia a sua obra, quando na verdade, de acordo com Gn 2.2, Ele terminou no sábado, ou seja, no sétimo dia.

      Por exemplo, Davi reinou sete anos e meio em Hebrom: “e foi o número dos dias que Davi reinou em Hebrom, sobre à casa de Judá, sete anos e seis meses” (II Sm 2.11).

      “E em Jerusalém reinou trinta e três anos sobre Israel e Judá” (II Sm 5.5).

      Ou seja, Davi reinou quarenta anos e seis meses. Mas, o mesmo escritor, em II Samuel 5.4 afirma que Davi reinou apenas quarenta anos. Ora tudo que ele fez foi arredondar os números de 40,6 anos para apenas 40 anos.

      Excluir
  2. Entendi. No hebraico dá pra ver bem a diferença e realmente dá pra perceber o argumento do texto em sua plenitude, onde Deus termina sua obra no sétimo dia(o que bate certo com o mito mesopotâmico) e no mesmo, descansa.
    Mas desculpe se bato na mesma tecla nas traduções que postei, explico:
    R- Nessa parte "E havendo Deus acabado no dia sétimo a obra que fizera"(ACFR),eu vejo o texto dizendo que Deus tendo acabado no dia sétimo sua obra, pode ser interpretado de 2 formas, uma dizendo que Deus acabou no dia sétimo e outra dizendo que Deus já tinha acabado sua obra no dia sétimo. E nessa mesma parte só que em outra tradução "No sétimo dia Deus já havia concluído a obra que realizara"(NVI), Fica em evidência que já tinha terminado a obra no sétimo dia.
    MAS... Como você muito bem mostrou, a versão hebraica é muito clara em dizer que Deus terminou sua obra no sétimo dia e descansou no sétimo dia também.
    Agradeço sua atenção e paciência.
    Leandro


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade Leandro. Essas traduções da Bíblia modernas são, na verdade, uma paráfrase do texto bíblico, não são bem traduções. Eles leem o hebraico, interpretam à luz de suas crenças religiosas e "traduzem" o texto. A NVI é critica até mesmo pelos próprios evangélicos que estudam de forma séria as Escrituras, ler textos em Bíblias assim e tomar como exato é uma falácia gigante, porque ali não está o texto original, está a interpretação dos tradutores do original.

      Isso, na verdade, vem de longe. A LXX e outras versões antigas incluíra a palavra "sexto dia" em Gên. 2.2. Além disso, Calvino traduziu a expressão vay·chal como sendo mais que perfeito, forçando o texto bíblico a ser entendido: "tinha terminado...".

      Um dos melhores comentários exegéticos e críticos de Gênesis diz:

      "Tomar o vb. como mais que perfeito (Calv. al.) é gramaticalmente impossível... O único curso remanecente é dar um sentido puramente negativo ao verbo: i.e "desistiu de", "não continuou" (IEz. De. Di. Dri. al.)." (The International Critical Commentary on Genesis de John Skinner, p. 37)

      Em outras palavras, é violar o texto traduzir como "já tinha terminado". A forma gramatical do verbo kâlâh é passado simples, "terminou, concluiu".

      Muito obg pela pergunta Leandro, pois achei extremamente válida. Peço que sempre que ficar na dúvida de algo não exite em me perguntar, pois ao passo que comentamos abaixo dos posts isso enriquece ainda mais o artigo com mais informação, isso dá qualidade ao blog. Obg mais uma vez pela participação.

      Excluir
  3. Olá, em nossa opinião, Deus não descansou literalmente, o que Ele fez foi contemplar a Sua obra com paz e sabedoria, dando nos o exemplo e querendo nosso bem, como sempre, para descansarmos nesse dia. Mas não descansar na cama, dormindo, e sim em Deus com paz e sabedoria em Sua Palavra e em Sua Criação. Sobre o fim da criação no sétimo dia, podemos concluir que no sétimo dia, Deus criou O SÉTIMO DIA, um dia santo (separado) e sagrado. Deus sabe nossas necessidades, e por isso criou o Sábado (do hebraico: Sabbat, que significa descanso) para contemplarmos sua obra e nos dedicarmos somente a ele, assim como o fazia no Jardim do Éden com Adão e Eva. Deus é supremo e não precisa de descanso, mas é tão amoroso e misericordioso que criou um dia inteiro só pra entrar em comunhão conosco (não que não precisamos fazer isso nos outros dias). O homem pode destruir coisas materiais, como os templos sagrados, mas Sábado, mesmo querendo ser modificado para outros dias da semana nunca irá ser destruído para os que tem fé verdadeira no real Deus e Sua Palavra.
    Abraço de Cinthya e Giulia,
    Adventistas do Sétimo Dia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso é o que chamo de "arranjo forçado"! Gn 2:1 afirma: "Assim foram acabados os céus e a terra, com todo o seu exército". O vs. 2 declara que tendo Deus completado sua obra no sétimo dia, descansou de "toda a obra que fizera". Qual era "toda a obra" que Deus fizera? Os céus e a terra, com todo o seu exército! Quando Deus "completou" Sua obra? No sábado! E quando Deus descansou, já ocorrera o "acabamento" da obra? Sim! Portanto, o descanso veio ANTES ou APÓS o acabamento? Respondam, sabatistas...

      Excluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Cara, gostaria da sua opinião sobre um estudo estatístico em relação a criação do universo, que mostra a divisão dos dias ( como escrito em gênesis ) sendo extremamente similar com as eras em bilhões de anos ( como pesquisado pela ciência moderna ). o vídeo no youtube chama:
    "Haim Shore - Criação do Universo".

    ResponderExcluir
  7. Gente voces já pararam pra pensar que o escritor nao sabia nada de criaçao? O sol aparece depois das plantas? Isso de seis ...sete dias nao significa nada pois foi retirado do mito egipcio sobre a criaçao do mundo, seis poderes de deuses..pesquisem.

    ResponderExcluir
  8. Gente voces já pararam pra pensar que o escritor nao sabia nada de criaçao? O sol aparece depois das plantas? Isso de seis ...sete dias nao significa nada pois foi retirado do mito egipcio sobre a criaçao do mundo, seis poderes de deuses..pesquisem.

    ResponderExcluir

Antes de comentar, queira ler os artigos Critérios para se Aprovar Comentários e Respostas à Alguns Comentários. Obrigado pela visita e pela participação!

Comentarios Recentes

Compartilhe este Artigo

Delicious Digg Facebook Favorites More Stumbleupon Twitter

Search Our Site