segunda-feira, 5 de agosto de 2013

Adão e o Fruto do Conhecimento

por Gary Greenberg


Mito #21: Adão e o Fruto do Conhecimento
O Mito: Mas da árvore do conhecimento do bem e do mal, não comerás dela, porque no dia em que tu comeres certamente morrerás. (Gn 2:17)

A Realidade: O objetivo desta história é condenar a ideia de que o conhecimento egípcio da ordem moral levaria para a Vida Eterna, que entrou em conflito com os ensinamentos hebreus monoteístas.

No mito anterior, vimos as ideias egípcias sobre a relação entre a ordem moral e a vida eterna por trás da história bíblica sobre a Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal e da Árvore da Vida. No entanto, apesar dos paralelos estreitos entre as duas descrições, há um conflito gritante. No texto egípcio, Nun (a personificação da grande inundação) pediu Atum (o Criador de Heliópolis) para comer de sua filha Tefnut, dando-lhe o acesso ao conhecimento de ordem moral. Em Gênesis, Deus proibiu Adão de comer da Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal, negando-lhe o acesso ao conhecimento moral.

Esta inconsistência aparece na face de um dilema moral no relato bíblico. Parece que Deus mentiu e a serpente disse a verdade. Inicialmente, Deus ordenou a Adão para não comer da árvore do conhecimento, dizendo-lhe que ele morreria no mesmo dia em que ele fizesse isso. No entanto, mais tarde, depois de comer do fruto dessa árvore, Adão não só viveu (por cerca de mais 900 anos), mas Deus temia que ele obtivesse a vida eterna; caso comesse do fruto da árvore da vida seria necessário expulsá-lo do Jardim.

Se Genesis baseia-se na doutrina egípcia, por que a história bíblica toma um rumo tão radical quando se trata de comer da árvore do conhecimento? A divergência nas duas histórias resulta de diferenças fundamentais entre as crenças dos egípcios e dos hebreus sobre a vida após a morte.

Os egípcios acreditavam que, se você vivesse uma vida de ordem moral, o deus Osíris, que governava sobre vida após a morte, deveria atribuir-lhe a vida eterna. Essa foi a ligação filosófica entre estes dois princípios fundamentais da vida e da Ordem Moral, e é por isso que os egípcios retratavam-nos como os filhos do Criador. Com efeito, o conhecimento do comportamento moral é um passo para a imortalidade e divindade. Essa é precisamente a questão enquadrada no Gênesis.

Quando Adão comeu do fruto da Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal, Deus declarou que, se Adão também comesse do fruto da árvore da vida ele iria tornar-se como Deus. Mas os hebreus eram monoteístas. A ideia de que os seres humanos poderiam tornar-se semelhantes a Deus se foi em face do conceito teológico básico da religião bíblica, que havia e só podia haver um deus. Os seres humanos não podem tornar-se semelhantes a Deus.

A história hebraica é, na verdade, um ataque sofisticado a doutrina egípcia de ordem moral que conduz à vida eterna. Ele começa por transformar a vida e Ordem Moral de divindades em árvores, eliminando o imaginário canibal sugerido por Atum comer de sua filha. Em seguida, Adão foi especificamente proibido de comer o fruto da Ordem Moral.

Em seguida, Adão foi informado de que não só não alcançaria a vida eterna, se ele comesse da Ordem Moral, mas ele realmente iria morrer se, de fato, comesse. Finalmente, Adão foi expulso do jardim antes que ele pudesse comer da árvore da vida e vivesse por toda a eternidade.

Note-se aqui que a ênfase bíblica é no conhecimento de ordem moral e não na vida eterna. A mensagem bíblica é que você não pode alcançar a vida eterna através do conhecimento de ordem moral. Deus vai lhe dizer o que você precisa saber e como você deve se comportar e você vai fazer isso porque Deus lhe diz para fazer, não porque você vai viver para sempre.

Quando Deus disse a Adão que ele morreria no mesmo dia em que ele comesse da Árvore do Conhecimento, a ameaça deve ser entendida no sentido de que os humanos não devem tentar tornar-se como uma divindade. Deus não queria que Adão literalmente caísse morto no dia em que comesse o fruto proibido; ele quis dizer que no dia em que Adão violasse o mandamento, ele perderia o acesso à vida eterna. Lembre-se que Deus inicialmente não proibiu Adão de comer da árvore da vida. (Presumivelmente, uma mordida da fruta da árvore não conferia a imortalidade. A pessoa precisava comer continuamente dela e encher sua vida.) Uma vez que ele violou o mandamento, ele perdeu o acesso à árvore da vida e já não podia comer o fruto que impedia a morte.



****

Outros artigos que podem lhe interessar:

Cf. Adão foi Feito do Pó da Terra
Cf. Adão e Eva: O Primeiro Casal Humano
Cf. Deus Criou o Homem à sua Imagem e Semelhança
Cf. Jesus Cristo como Mito Judaico
Cf. O Mito da Guarda no Túmulo de Jesus

FONTE: 101 Myths of the Bible How Ancient Scribes Invented Biblical History de Gary Greenberg, pp. 51-52. Tradução de Eduardo Galvão Junior.


SOBRE O AUTOR:

Gary Greenberg é o autor de vários livros altamente elogiados na história bíblica, incluindo os clássicos populares bíblicos 101 Myths of the Bible: How Ancient Scribes Invented Biblical History and The Moses Mystery: The Egyptian Origins of the Jewish People. Suas obras foram traduzidas para várias línguas.

Ele é presidente da Sociedade de Arqueologia Bíblica de Nova York e membro do Jesus Project, uma organização de estudiosos bíblicos preocupados com questões relacionadas com o Jesus "histórico". A série da National Geographic Television, Science of the Bible, teve Greenberg como um consultor e também um documentário sobre a história de Caim e Abel. Ele também tem sido um convidado em inúmeros programas de rádio e televisão nos EUA, incluindo o Diário de Tony Brown em PBS, e provou ser um orador provocativo e divertido e debatedor qualificado.

Ele é membro de várias organizações acadêmicas, incluindo o Society of Biblical Literature, the Archaeological Institute of America, the Historical Society, and the American Research Center in Egypt. Ele tem artigos publicados em diversas revistas científicas, incluindo o the Journal of the Society for the Study of Egyptian Antiquities, KMT e Discussions in Egyptology e apresentou trabalhos em várias conferências acadêmicas, incluindo as reuniões anuais da International Society of Biblical Literature and the American Research Center in Egypt.

6 comentários:

  1. Como faço para comprar esse livro bíblicos 101 Myths of the Bible.
    Tem ele em Português?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Wellington,

      Você pode comprar o original em inglês nesse site: Amazon.

      Infelizmente, como até mesmo citei no primeiro artigo, esses livros ainda não existem em português e por esse motivo decidi traduzi-los. Objetivo no final, juntar todas as partes e publicá-lo. Se isso ocorrer, eu te aviso.

      Excluir
  2. Muito obrigado.
    Vc vai continuar postando mais estudo desse livro?
    Se vc continuar postando eu vou salvando.
    Os estudo são muito bom, eu gostei muito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vou sim. Não posso traduzir tudo porque não tenho os direitos autorais. Mas pretendo traduzir mais alguns capítulos.

      Excluir
  3. Vi alguns erros no texto.
    Primeiro: Deus não disse que no mesmo dia em que Adão e Eva comesse do fruto, ele morreria. Mas deixou claro, que no dia em que ele comesse, em um futuro incógnito (certamente morrereis), eles morreriam.
    Segundo: O homem não se tornou um deus na tradição judaico-cristã; mas se tornou COMO Ele (é bem diferente você SER um, de você SER COMO um) - conhecedor do que é correto e do que é errado.
    Terceiro: Quando Deus diz que certamente o homem morreria se comesse do fruto, ele não está ameaçando, mas prevenindo. É como um conselho de um amigo: Não vá para aquele beco porque certamente você será assaltado, e pela curiosidade, entra no beco e é assaltado.

    ResponderExcluir

Antes de comentar, queira ler os artigos Critérios para se Aprovar Comentários e Respostas à Alguns Comentários. Obrigado pela visita e pela participação!

Comentarios Recentes

Compartilhe este Artigo

Delicious Digg Facebook Favorites More Stumbleupon Twitter

Search Our Site