quarta-feira, 31 de julho de 2013

Adão e Eva: O Primeiro Casal Humano

por Gary Greenberg


Adão e Eva: O Primeiro Casal Humano
O Mito: Este é o livro das gerações de Adão. No dia em que Deus criou o homem, à semelhança de Deus o fez, homem e mulher os criou, e os abençoou, e chamou o seu nome Adão, no dia em que foram criados. E Adão viveu cento e trinta anos, e gerou um filho à sua semelhança, conforme a sua imagem, e chamou o seu nome Sete: E os dias de Adão, depois que gerou a Sete, foram oitocentos anos, e gerou filhos e filhas: e todos os dias que Adão viveu foram novecentos e trinta anos, e morreu. (Gênesis 5:1-5)

A Realidade: Adão e Eva foram os deuses egípcios Geb (terra) e Nut (céu). Seus filhos foram os filhos da terra e dos céus. No início da segunda narrativa da criação em Gênesis, lemos que as histórias que se seguem são sobre a família dos céus e da terra (ver Mito #17).

Os principais personagens dessas histórias são Adão e Eva e seus filhos, Caim e Abel, o que implica que a família de Adão é a família dos céus e da terra. Inicialmente, a Bíblia refere-se a Adão e Eva como “Adão” (ver Mito #11) e Eva como “a mulher”. Durante o curso da história, uma transformação sutil na terminologia ocorre e ficou conhecido como Adão e Eva. Embora esteja implícita nestes primeiros contos que Adão e Eva foram os primeiros seres humanos, não é até Gênesis 5:1 que uma conexão direta é feita. Nesse ponto, a Bíblia apresenta a primeira de várias genealogias que fazem Adão o antepassado da raça humana, traçando uma linha de descendência através de Noé e até os patriarcas bíblicos.

No Mito nº 12, aprendemos que Adão e Eva não eram os mesmos que os seres humanos criados no sexto dia. Eles foram criados “no dia em que Deus fez a terra e os céus”, que é o segundo dia. Eram um conjunto diferente de seres humanos daqueles criados no sexto dia ou eram originalmente uma espécie de deuses cósmicos?

No mito da criação babilônica, o céu e a terra eram metades de um monstro morto conhecido como Tiamat. Uma vez que estes dois pedaços inanimados de cadáver não dão à luz filhos, o mito babilônico não pode servir como um protótipo para a história bíblica. Mas, se olharmos para o mito da criação de Heliópolis, encontramos parte do material fonte para a segunda história da criação bíblica. De acordo com heliopolitanos, Geb (terra) e Nut (céu) tiveram três filhos - Osíris, Set (ou Seth) e Hórus e duas filhas. As relações entre os membros dessa família têm um papel importante na mitologia egípcia.

Uma história conta como Geb (terra) e Nut (céu) desobedeceram a principal divindade e como ela puniu Nut com dificuldades no nascimento da criança. Outro conta como Shu (o céu, filho de Atum e pai de Geb) puxou Nut do corpo de Geb e separou o céu e a terra. E ainda uma outra conta como um dos irmãos matou um dos outros irmãos, e como o terceiro irmão fundou a linha de legítimos herdeiros ao trono egípcio.

Estas linhas de enredo deve soar vagamente familiar para aqueles que conhecem a história de Adão e Eva. Deus separou Eva do corpo de Adão, os dois desobedeceram a ordem de Deus, Deus puniu Eva com dificuldades no parto; Adão e Eva tiveram três filhos, Caim, Abel e Sete, um dos quais (Caim) assassinou um dos outros (Abel) e o terceiro dos quais (Sete) passou a entrar na linha de herdeiros de Adão a Abraão.

Os dois padrões genealógicos coincidem tão intimamente que não se pode deixar de concluir que o modelo egípcio influenciou Genesis. Isto significa que Adão e Eva tiveram uma encarnação original como divindades egípcias Geb e Nut e seus três filhos (Caim, Abel e Seth) corresponderam aos três filhos de Geb e Nut (Osíris, Hórus e Set).

Mais tarde editores bíblicos, no entanto, tiveram problemas em apresentar essas histórias sobre as antigas divindades egípcias. Por um lado, os hebreus eram monoteístas e não acreditava nesses deuses e, por outro lado, essas histórias eram difundidas e conhecidas. Os editores bíblicos bateram em cima da solução em desmistificar as divindades e reformular suas histórias como se fossem sobre os seres humanos, em vez de deuses.

Posteriormente, quando tentaram integrar as duas histórias da criação bíblica em um único relato contínuo, eles retrabalharam as histórias de forma a transmitir a impressão de que Adão e Eva foram os primeiros seres humanos, idênticos aos seres humanos nascidos no sexto dia, cuja interpretação tem se mantido altamente influente ao longo da história entre os teólogos judeus e cristãos. No entanto, apesar dos esforços hábeis e bem sucedidos dos editores, ainda vemos uma boa dose de simbolismo mitológico original.



****


FONTE: 101 Myths of the Bible How Ancient Scribes Invented Biblical History de Gary Greenberg, pp. 29-31. Tradução de Eduardo Galvão Junior.


SOBRE O AUTOR:

Gary Greenberg é o autor de vários livros altamente elogiados na história bíblica, incluindo os clássicos populares bíblicos 101 Myths of the Bible: How Ancient Scribes Invented Biblical History and The Moses Mystery: The Egyptian Origins of the Jewish People. Suas obras foram traduzidas para várias línguas.

Ele é presidente da Sociedade de Arqueologia Bíblica de Nova York e membro do Jesus Project, uma organização de estudiosos bíblicos preocupados com questões relacionadas com o Jesus "histórico". A série da National Geographic Television, Science of the Bible, teve Greenberg como um consultor e também um documentário sobre a história de Caim e Abel. Ele também tem sido um convidado em inúmeros programas de rádio e televisão nos EUA, incluindo o Diário de Tony Brown em PBS, e provou ser um orador provocativo e divertido e debatedor qualificado.

Ele é membro de várias organizações acadêmicas, incluindo o Society of Biblical Literature, the Archaeological Institute of America, the Historical Society, and the American Research Center in Egypt. Ele tem artigos publicados em diversas revistas científicas, incluindo o the Journal of the Society for the Study of Egyptian Antiquities, KMT e Discussions in Egyptology e apresentou trabalhos em várias conferências acadêmicas, incluindo as reuniões anuais da International Society of Biblical Literature and the American Research Center in Egypt.

13 comentários:

  1. Caramba! Chocante essa relação entre Caim, Abel e Sete e Osíris, Hórus e Set. Muda tudo se pensarmos que se trata de novos deuses e não humanos!!! Quanto mais leio a respeito, mais fico perplexo com as mudanças feitas para caber em uma "visão particular"! Excelente texto!
    Leandro

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade Leandro. Esse livro é best-seller nos EUA e foi feito para o público mais leigo, percebe-se só pela leitura que é bem simplificada. Greenberg é parecido com Ehrman no sentido de simplificar para as pessoas comuns as coisas que "rolam" entre os acadêmicos de alto nível.

      Tou traduzindo agora porque a preparação dos meus artigos leva muito tempo, o que não ocorre com uma tradução, geralmente mais rápida. Futuramente pretendo escrever sobre o assunto acima, mostrando as fontes egípcias de onde tiramos essa ideia.

      Excluir
  2. Gostei muito tenho aprendido muito,sobre o que é a bíblia.
    Sou Pastor mais tenho hoje para mim uma nova visão sobre tudo.
    Muito bom os seu estudo.

    ResponderExcluir
  3. Respostas
    1. Olá Wellington, muito obg pela visita, pela participação e pela honestidade. Vendo exemplos como o seu, vejo que a coisa ainda tem salvação.

      Excluir
    2. Pra quebrar sua lógica anti-gênesis:
      Geb e Nut eram os deuses da Terra e do Céu, respectivamente, não há relação alguma com Adão e Eva (porque são os humanos que foram criados no gênesis). Eu já li muito sobre diversas mitologias egípcias, gregas, nórdicas e outras; mas em nenhum momento eu vi que Geb e Nut deram origem a três filhos, mas dois - Osíris e Seth. Seth separa a essência de Osíris, o cortando em milhares pedaços e ele fica pouco consciente. Então sua esposa Ísis o ajuda e ele revive, juntos eles tem Hórus. Shu era o deus do vento (algo simples, mas só pra concertar depois). Na mitologia egípcia, Nut e Geb foram separados para controlar os filhos que estavam nascendo depressa, então Shu os separou; mas não diz que eles desobedeceram não.

      Excluir
    3. É uma pena você achar que porque "leu diversas mitologias" significa que as entende e que é uma autoridade no assunto, mais surpreendente ainda você contestar a opinião de pessoas como Gary Greenberg que estudou - não apenas leu - o assunto provavelmente há mais anos que você tem de vida.

      Vocês acham que o mito para influenciar povos precisar ser copiado literalmente... só isso já mostra quão pouco você sabe do assunto. Repetir: A menos que você me aponte uma lista de livros com AUTORIDADES NO ASSUNTO que concordem com você, esse debate morre aqui.

      Excluir
    4. Ah! E de fato, não sou autoridade, mas eu sei das mitologias, e sei que há pessoas que gostam de realizar comparações com elas, como no caso do dilúvio bíblico e da epopeia de Gilgamesh. Pena que existem outras 200 civilizações no mundo todo que "inventaram" a mesma coisa. A Bíblia mentiu junto com as outras 200. Só foi um exemplo.

      Excluir
  4. NA ERA DA INFORMAÇÃO IGNORÂNCIA É OPÇÃO! QUEM EM NOSSO SEC XXI - 3º MILÊNIO AINDA ACREDITA EM ADÃO E EVA, COSTELA DE DÃO, SERPENTE FALANTE, MULHER DE BARRO, ANDAR NAS ÁGUAS, ABRIR MAR, RIO FEITO DE SANGUE COM UM BASTÃO TOCADO NELE ETC ETC ETC E TAL, PAROU TOTALMENTE NA ERA MEDIEVAL, SUA MENTE, QUE ME DESCULPE, SÓ TEM 2 NEURÔNIOS E ASSIM MESMO EM INATIVIDADE, O TICO E O TECO! Quanta idiotice! "RELIGIÃO: O MAL DA HUMANIDADE E O INFERNO DOS ANIMAIS! IGREJAS E TEMPLOS DE QUALQUER NATUREZA: A PIOR INVENÇÃO DA HUMANIDADE!" MARIA JOSÉ NIA (VEGANA E ATIVISTA PELOS DIREITOS DOS ANIMAIS). CPT

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com você é muito mais fácil para os ignorantes dizer que é mentira do que abrir a mente

      Excluir
    2. Concordo com você é muito mais fácil para os ignorantes dizer que é mentira do que abrir a mente

      Excluir
  5. Isto se estivermos analisando puramente a literatura mítica judáica. Cientificamente é insustentável o aparecimento de Adão e Eva seja como deuses ou como seres biológicos reais. As evidências paleontológicas e arqueológicas contradizem a teoria de um casal com aparecimento súbito. Assim como o outro mito, Noé, que se mostra sem evidências geológicas, biológicas, e economicamente inviáveis. Nenhuma espécie atual teve um ancestral único nos últimos 10 000 anos, nem os humanos, nem os alegados animais levados para a mítica arca. Na verdade o mito foi criado unicamente para incutir medo nas pessoas de um ser sem piedade que mataria todos se contrariado. Por isto contado para crianças. E para intermediar a proteção a casta sacerdotal cobraria o dízimo para mostrar o caminho da obediência para este ser cruel e inescrupuloso inexistente. A antropologia moderna demonstra que as populações humanas nos diversos continentes chegaram há muito mais tempo do que a Bíblia alega. Antes ainda chegaram os diversos animais e flora. É claro que enchentes locais teriam deixado a impressão de mundiais para povos limitados, mas nenhuma evidência de extinção foi deixado por estes fenômenos limitados geograficamente. Quem mente não merece o mínimo respeito pois não se deteria em mentir sobre tudo. Acreditar sem ver é o que todos os embusteiros pedem. É só mais uma forma para enganar as pessoas desprevenidas.

    ResponderExcluir

Antes de comentar, queira ler os artigos Critérios para se Aprovar Comentários e Respostas à Alguns Comentários. Obrigado pela visita e pela participação!

Comentarios Recentes

Compartilhe este Artigo

Delicious Digg Facebook Favorites More Stumbleupon Twitter

Search Our Site