terça-feira, 30 de outubro de 2012

Esse texto é parte de um estudo mais longo e complementar. Caso você tenha chegado nesse blog diretamente por essa postagem, queira ver o contexto desse estudo em A Ressurreição — Uma Doutrina Central

VISITA, TÚMULO, MULHERES, MANHÃ, MADRUGADAA primeira inconsistência está na hora em que ocorreu a Ressurreição. Entre os Evangelhos, o relato mais antigo que temos é o de Marcos (Antonio Piñero, Guía para entender el Nuevo Testamento. Madrid, Trotta, 2006; p. 327; W.R.F. Browning: Diccionario de la Biblia. Barcelona: Ediciones Folio, 2006.). No cap. XVI versículo 2 nos é dito: “E, muito cedo, no primeiro dia da semana, ao despontar do sol, foram ao túmulo.” (Bíblia Shedd) O termo grego traduzido aqui por “ao despontar do sol” é ανατειλαντος que vem do verbo ανατελλω cujo sentido é de “fazer levantar”, “erguer-se”, etc. Marvin Vincent, especialista no grego neotestamentário, comenta que é “mais corretamente [traduzido], como na Rev., quando o sol estava posto.” A Tradução do Novo Mundo, das Testemunhas de Jeová, diz mais honestamente, “depois de se levantar o sol”. Em outras palavras, o sol já estava raiando quando as mulheres chegaram ao túmulo.

O problema é que os relatos paralelos com Marcos dizem coisas distintas. Acompanhe o quadro abaixo:



Mateus 28:1
Marcos 16:2
Lucas 24:1
João 20:1
Depois do sábado, quando estava ficando claro, no primeiro dia da semana, Maria Madalena e a outra Maria foram ver o sepulcro.
E bem cedo, no primeiro dia da semana, chegaram ao túmulo memorial depois de se levantar o sol.
No primeiro dia da semana, porém, foram muito cedo ao túmulo, levando os aromas que tinham preparado.
 
No primeiro dia da semana, Maria Madalena veio cedo ao túmulo memorial, enquanto ainda estava escuro, e observou a pedra já retirada do túmulo memorial. . .


Ok. A diferença é bem leve. Pior seria se um dissesse que foi de manhã, outro de tarde e ainda outro à noite. No entanto, ao determinar um evento de tamanha magnitude, e considerando o peso da evidência testemunhal, que, segundo crê a teologia cristã, foi profundamente influenciada por uma força sobrenatural, o Espírito Santo (Jo. 14:26), esses detalhes não podem ser deixados de lado.

Algumas tentativas de harmonizar isso variam consideravelmente. John Gill, por exemplo, comenta que, durante o trajeto que as mulheres fizeram para chegar ao túmulo, o sol foi nascendo. Dessa forma, à princípio estava escuro e quando elas chegaram ao túmulo o sol já tinha nascido. Um dos principais defensores do Cristianismo, Norman Geisler comenta:
Há duas possibilidades. Uma delas sugere que a frase “ao despontar do sol” (Mc 16:2) indica apenas que era muito cedo (cf. SI 104:22), e “ainda escuro”, no linguajar de João (20:1). Outra possibilidade é a que sustenta que Maria veio sozinha primeiramente, quando ainda estava escuro, antes de o sol nascer (Jo 20:1), e depois veio de novo, após o nascer do sol, com as outras mulheres (Mc 16:1). Em apoio a essa posição está o fato de que somente Maria é mencionada em João, mas em Marcos são citadas ela e as outras mulheres. Também, Lucas (24:1) diz que era “alta madrugada”, quando as mulheres (não apenas Maria) foram lá. Ainda, Mateus (28:1) fala que foi “ao findar do sábado, ao entrar o primeiro dia da semana” que “Maria Madalena e a outra Maria foram ver o sepulcro”. Somente João menciona Maria estando lá sozinha “sendo ainda escuro” (Jo 20:1). (Manual Popular de Dúvidas, Enigmas e Contradições da Bíblia, comentando Marcos 16:2)
Irei falar, em outra postagem, sobre o problema de se tentar harmonizar os relatos evangelísticos. Por hora, iremos analisar alguns pontos dignos de nota.

Achei algo nesse argumento por demais interessante, algo que, na verdade, eu usava muito quando tentava defender o Cristianismo, que é dizer que o que está escrito tem outro sentido do que o sentido costumeiro e lógico. N. Geisler diz que “a frase “ao despontar do sol” (Mc 16:2) indica apenas que era muito cedo (cf. SI 104:22), e “ainda escuro”, no linguajar de João (20:1)”, ou seja, para Geilser, João tinha um linguajar diferente do restante dos seres humanos. Para João, o sol raiando ainda pode ser considerado como estando “escuro”. Preciso dizer mais alguma coisa para mostrar quão insano é esse argumento?

Outra coisa que podemos dizer é que as explicações de N. Geisler, bem como as dos demais apologistas, estão alicerçadas em criatividade interpretativa. Se uma pessoa, que está sendo acusada de algo, diz que esteve no lugar do crime à tarde e depois diz que estava nesse mesmo lugar à noite, pode muito bem se safar da contradição testemunhal dizendo que, na verdade, esteve no local duas vezes, uma de tarde e outra à noite!

Além da falácia desses argumentos, devemos nos lembrar que nem Mateus, nem Marcos, nem Lucas, nem João estavam com as mulheres quando elas saíram ao túmulo. Portanto, o que eles registraram foi o que ouviram de terceiros e o fato deles relatarem que estava escuro, que estava clareando e que já estava de manhã com o sol posto é prova da inconsistência de um relato. Normalmente é essa a característica que encontramos quando ouvimos boatos por ai, cada pessoa diz uma coisa com pequenas alterações que juntas findam por criar algo que nunca existiu.



Continuação: Havia Dois ou Apenas um Anjo no Túmulo?

9 comentários:

  1. Se um Coronel enviasse 1 soldado para expiar um país e ao retornar ele contasse, diante da tropa, para o Coronel o que viu; e depois os soldados contassem aos parentes o que ouviram, segundo as suas perspectivas:
    João - “Ele disse: Cheguei lá quando estava ficando claro, e vi um exército de quase 10.000 soldados”;
    Lucas - “Ele disse: Fui ao campo depois do por do sol, e avistei mais de 9.000 soldados”;
    Beto - “Ele disse: Fui lá muito cedo, e avistei uns 9.500 soldados”;
    Ricardo: - “Ele disse: Saí enquanto ainda estava escuro, e ao chegar vi milhares de soldados”
    Falaram mentiras? Erraram no relato?
    Eles falaram “a mesma coisa”, embora com palavras diferentes; pois não havia “SENSORES” para identificar hora exata em que a luz surgiu em plenitude e o escuro foi embora, e para contar o número exato de soldados. A exatidão da luz é desprezível, como no caso em que um amigo te conta a hora que chegou de viagem.
    Na época a precisão nos fatos não era tão valorizada como é hoje.
    Clóvis, Cariacica, ES.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é questão de exatidão de hora. Se um amigo me diz que chegou na minha cidade ainda escuro e depois diz que quando chegou o dia já tinha amanhecido, isso é uma clara contradição de termos.

      É muito simples de ver isso. Não estou falando de horas, se era 4 da manhã, 6 da amanhã ou meio-dia. A questão é que um diz que estava ainda de noite e o outro diz que estava de dia... fica difícil de conciliar isso.

      Excluir
  2. Quando?
    1° Lucas 24.1 “... foram muito cedo ao túmulo...”
    1° João 20.1 “... Maria Madalena veio cedo ao túmulo memorial, enquanto ainda estava escuro...”
    1° Mateus 8.1 “... quando estava ficando claro, ... foram ver o sepulcro”.
    2° Nascer do Sol.
    3° Marcos 16.2 “E bem cedo... chegaram ao túmulo memorial depois de se levantar o sol.”

    Eles (os evangelhos) falaram a mesma coisa, porém com referências anteriores e posteriores ao nascer do Sol
    Tomando o Sol como referência e segundo a tradução contida nesta página:
    1° Elas (Lc 24.1) “... FORAM MUITO CEDO ao túmulo...”; (Jo 20.1) “VEIO... ENQUANTO AINDA ESTAVA ESCURO...”; (Mt 28.1) “...QUANDO ESTAVA FICANDO CLARO... FORAM ver o sepulcro”
    2° NASCER DO SOL
    3° Elas (Mc 16.2) “E bem cedo... CHEGARAM ao túmulo memorial DEPOIS DE SE LEVANTAR O SOL”
    Elas “foram, vieram e foram” antes do sol NASCER; e “chegaram” depois do sol NASCER.
    Clóvis, Cariacica, ES.

    ResponderExcluir
  3. Palavras suas: “Se um amigo me diz que CHEGOU... ainda escuro e depois diz... CHEGOU o dia já tinha amanhecido, isso é uma clara contradição de termos”

    Concordo com você PLENA, INTEIRA, TOTALMENTE.... Só que você não observou que os textos “que você publicou” NÃO falam que elas CHEGARAM em horários diferentes. Os textos falam claramente: Que saíram quando escuro e chegaram quando claro. LEIA OS TEXTOS QUE VOCÊ PUBLICOU PARA CONFERIR SE ESTOU FALANDO BESTEIRA.

    SAÍDA: Mt – FORAM quando estava ficando (isso é, não estava ainda); + Lc FORAM muito cedo (não diz claro); + Jo Veio quando escuro (não diz claro).
    CHEGADA: Mc – CHEGARAM quando CLARO (“depois de se levantar o sol”)

    Você tá procurando chifre na cabeça de cavalo. Você é quem está se contradizendo e não a “Fábula” (como você chama a Bíblia).

    Clóvis, Cariacica, ES.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quando elas SAÍRAM de suas residências?

      Depois do sábado, QUANDO ESTAVA FICANDO CLARO, no primeiro dia da semana, Maria Madalena e a outra Maria foram ver o sepulcro. (Mateus 8.1)

      Quando elas CHEGARAM no sepulcro?

      Maria Madalena CHEGOU CEDO AO SEPULCRO, enquanto ainda ESTAVA ESCURO,... (Jo. 20.1)

      Quando elas saíram estava ficando claro e quando chegaram ainda estava escuro. A menos que elas voltaram no tempo, isso é uma contradição cronológica, mesmo que boba e sem mais importância.

      Não irei mais aprovar seus comentários aqui.

      Excluir
  4. Você diz: “A questão é que um diz que estava ainda de noite e o outro diz que estava de dia... fica difícil de conciliar isso.”
    Você se esqueceu de citar os verbos! Vou tomar a liberdade de acrescentar.
    O correto seria dizer: “A questão é que um diz (FORAM)... ainda de noite e o outro diz que (CHEGARAM) estava de dia... fica difícil de conciliar isso.”
    Agora está correto, e não é “difícil conciliar isso”!

    Analogia: FUI trabalhar ainda de noite e CHEGUEI quando o sol havia nascido.

    Conclusão: Não há contradição, há OMISSÃO/INVENÇÃO. (È TÃO DIFÍCIL ASSIM ENTENDER?)

    Clóvis, Cariacica, ES.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Está respondido acima, no penúltimo comentário.

      Excluir
  5. Você diz: “Se tu postar eu vou apagar”. Mas antes dá uma lida!

    Você usou “vieram” no versículo da sua argumentação, e depois usou “chegaram” no versículo em que debateu comigo, em Marcos 16.2.

    Desculpe-me, mas essa diferença altera todo o sentido do texto. Peço que use o versículo que se aproxime do original. E se possível o texto original no debate.

    Clóvis, Cariacica, ES.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os vocábulos gregos usados que demonstram QUANDO elas SAÍRAM de suas residências, de acordo com Mt. 28.1 são: ἦλθεν...θεωρῆσαι.

      O primeiro vocábulo, ἦλθεν verbo aoristo indicativo ativo da terceira pessoa do singular. O segundo, θεωρῆσαι, está no aoristo infinitivo ativo.

      A junção desses dois verbos gregos transmitem a ideia de PARTIDA das mulheres. Assim, QUANDO as mulheres ἦλθεν θεωρῆσαι [foram ver] o túmulo? τῇ ἐπιφωσκούσῃ [quando estava ficando claro.]

      Na lógica cronológica, elas chegariam lá de manhã bem cedo, com o sol posto, uma vez que Mateus afirma que quando elas saíram estava ficando claro.

      Não obstante, o Evangelho Joanino diz:

      Maria Madalena CHEGOU CEDO AO SEPULCRO, enquanto ainda ESTAVA ESCURO,... (Jo. 20.1)

      Esse versículo retrata a chegada, usando o verbo ἔρχεται no presente indicativo médio da terceira pessoa do singular, cujo sentido é traduzido fraseologicamente correto no passado. E quando acontece a chegada? O texto grego diz σκοτίας ἔτι οὔσης, ou seja, "quando ainda estava escuro."

      Dessa forma, a única maneira que existe de você sair de casa de manhã cedo, quando está ficando claro, e chegar no local ainda escuro é se você retroceder no tempo.

      Portanto, é uma contradição cronológica!

      Excluir

Antes de comentar, queira ler os artigos Critérios para se Aprovar Comentários e Respostas à Alguns Comentários. Obrigado pela visita e pela participação!

Comentarios Recentes

Compartilhe este Artigo

Delicious Digg Facebook Favorites More Stumbleupon Twitter

Search Our Site