sexta-feira, 6 de julho de 2012

Posted by Eduardo G. Junior In , | No comments

CRÍTICO, COMENTÁRIO, ZACARIAS, ELISABETE


Nosso comentário crítico se concentra em Lucas 1:5-7. Nesse trecho literário lucano, observamos a intencionalidade do escritor para preparar o caminho para o nascimento de João Batista. Antes de se introduzir no mito essa importante figura, o escritor precisava dar informações prévias que seriam usadas para preparar a mente do leitor para o resenrolar da narrativa. Nesses versículos, lemos o seguinte:
1:5 Existiu, no tempo de Herodes, rei da Judéia, um sacerdote chamado Zacarias, da ordem de Abias, e cuja mulher era das filhas de Arão; e o seu nome era Isabel. (ACF)
Divisão Textual

1:5a Existiu,...
1:5b No tempo de Herodes, rei da Judéia,...
1:5c Um sacerdote chamado Zacarias, da ordem de Abias,...
1:5d E cuja mulher era das filhas de Arão;...
1:5e E o seu nome era Isabel.

Variantes Textuais

Ἡρῴδου [WH Treg NIV] + τοῦ [RP] • καὶ [WH Treg NIV] + ἡ [RP] • αὐτῷ [WH Treg NIV] αὐτοῦ RP

Análise Textual Fragmentada

            1:5a Existiu,...

“Com esse versículo, o koiné literário de Lc1:1 a 1:4 desaparece. Ao final do cap. 2, nós temos a passagem mais Hebraísta (Aramaico) nos escritos de Lucas, devido, evidentemente, ao uso de documentos e notas da tradição oral. Plummer observa uma série de tais documentos terminando com Lc 1:80, 2:40, 2:52. […] Nós temos aqui a evidência documentária mais antiga das origens do Cristianismo que tem chegado até nós. (Plummer).” (WPNT) “O frequente Hebraísmo indica que boa parte do material de Lucas estava originalmente em Aramaico.” (CECGL, p. 26) Levando em consideração seu registro, afirma-se que “todas as particularidades são claramente estabelecidas: os nomes, os tempos e os lugares.” (CNGL, p. 10) “O estilo agora se altera totalmente e se torna Hebraísmo, significando que o que se segue é traduzido ou copilado de uma narrativa oral aramaica.” (GNT, p. 441) “Lucas faz uma mudança estilística drástica começando no versículo 5. Depois de imitar os historiadores gregos no prefácio, ele agora escreve no estilo do Antigo Testamento, particularmente o grego do Antigo Testamento (chamado de Septuaginta, abreviado LXX).” (CPBC, ed. eletr.)

            1:5b No tempo de Herodes, rei da Judéia,...

Com sua fraseologia e vocábulos de historiador, Lucas começa o relato do nascimento de João Batista por centralizar-se em seus pais, Zacarias e Isabel. “La escena la sitúa Lc en “los días de Herodes, rey de Judea.” Es Herodes el Grande, que reinó sobre toda Palestina del 37 a. C. al 4 d.C.” (BCPS, ed. eletr.) “Herodes, o Grande, um Edomita de sangue e judeu pela religião, foi rei da Judéia de 37 a.C a 4 d.C.” (WBC, p. 1030) “Herodes, (“o Grande”) governou a Palestina e parte da Transjordânia como rei dos judeus de 37 a 4 a.C” (CBNIV, p. 1644) “Herodes, rei da Judeia (Hērōidou basileōs tēs Ioudaias). Essa nota de tempo localiza os eventos antes da morte de Herodes, o Grande (como ele foi chamado depois), designado Rei da Judéia pelo Senado Romano em 40 a.C pela sugestão de Octaviano e Antônio. Ele morreu em 4 d.C.” (RWP, ed. eletr.) “O título decretado a Herodes pelo Senado Romano, pela recomendação de Antônio e Octaviano. O estilo grego agora dá lugar ao estilo hebraico.” (VWS, ed. eletr.)

No caso do termo “Judéia”, usado para designar a região do reinado de Herodes, sabemos que “esse termo é usado aqui amplamente para a terra dos Judeus e não no sentido estreito para a província Romana de Judá.” (NAC, p. 73)

            1:5c Um sacerdote chamado Zacarias, da ordem de Abias,...

Descendente sacerdotal de Arão, o qual, nos dias do Rei Davi, era reconhecido como cabeça de uma das casas paternas de Israel. Davi dividiu o sacerdócio em 24 turmas, ou divisões, cada uma delas servindo no santuário de seis em seis meses por uma semana. A casa paterna de Abias foi escolhida por sortes para chefiar a oitava turma, a qual depois era conhecida como a “divisão de Abias”. (1Cr 24:3-10; Lc 1:5) De modo que se disse que o sacerdote Zacarias, pai de João, o Batizador, era “da divisão de Abias”.

Ao engendrar o mito cristão, Lucas escolhe a dedo os nomes que iriam compor o cenário para o nascimento de João. Ele “descreve a família que será o assunto imediato da narrativa” (BCNT, p. 204) O nome Arão, (זכריהוּ, zekharyāhū, or זכריה, zekharyāh; na LXX Ζαχαρία(ς), Zacharı́a(s)), significa “Yahweh se lembra.” (BDB, ed. eletr.) Como veremos também na etimologia do nome “Isabel”, o nome “Zacarias” foi escolhido propositalmente devido o seu significado, pois, no enredo mítico, Zacarias e Isabel, apesar da lealdade ao divino, são privados de ter filhos. Portanto, ‘Yahweh se lembra’ deles e lhes dá o presente que toda mulher judia pensava e ter, um filho varão.

            1:5d E cuja mulher era das filhas de Arão;...

O escritor, para acentuar a credibilidade e importância da mulher que daria à luz ao homem que prepararia o caminho do Messias, ressalta a sua linhagem, sendo “das filhas de Arão”. Com isso, busca-se preparar o leitor para que entenda que, não apenas Zacarias, mas também Isabel, faz parte de uma linhagem santa e importante em Israel.

            1:5e E o seu nome era Isabel.

A própria Elisabete (ou Isabel, Al; BJ) era da família sacerdotal de Arão, o levita. Tanto ela como seu marido já eram bem avançados em anos quando o anjo Gabriel apareceu a Zacarias, no Santo do templo, e anunciou que Elisabete daria à luz um filho que devia chamar-se João. Ao ficar grávida, Elisabete se manteve em reclusão por cinco meses. No sexto mês da sua gravidez, ela foi visitada por sua parenta Maria. Nesta ocasião, João, ainda por nascer, pulou na madre da sua mãe, e Elisabete, cheia de Espírito Santo, bendisse Maria e o fruto do seu ventre, chamando-a de “a mãe de meu Senhor”. — Lu 1:5-7, 11-13, 24, 39-43.

Como mencionado em Lucas 1:5b, os nomes das personagens que iriam compor o mito seriam escolhidos propositalmente para se enquadrar no interesse do escritor. No caso do nome Isabel, vemos também em sua etimilogia a relação com a história a ser narrada. O nome “Isabel” (אלישׁבע, 'ĕlı̄shebha‛,) significa “Deus jura,” ou “Deus é um voto”. O que esse significado tem a ver com a intencionalidade do escritor do evangelho? Assim como no caso de Zacarias, o nome de sua esposa, Isabel, indicava que Yahweh não a tinha esquecido e que, em breve, iria recompensá-la por dar-lhe um filho varão que seria importantíssimo na história de Israel.



Bibliografia

ROBERTSON, A.T, Word Pictures in the New Testament, B & H Publishing Group, 1973, Ed. Eletrônica.
VINCENT, Marvin R., Vincent's New Testament Word Studies, Hendrickson Publishers, 1886, Ed. Eletrônica.
PLUMMER, Alfred. Critical and Exegetical Commentary on the Gospel According to Luke, Anthony Rowe Ltda, 2004.
OLSHAUSEN, Hermann. Commentary on the New Testament, Pudney & Russell, 1856.
ALFORD, Henry. The Greek New Testament, Cambridge, 1898.
CHOUINARD, Larry, NIV Press Collegue Commentary on the New Testament, 1997, College Press Publishing Co
FACULDADE TEOLÓGICA DOMINICANA, Bíblia Comentada, Professores de Salamanca, Biblioteca de Autores Cristianos, 1975, Ed. Eletrônica.
PFEIFFER, F. Charles e HARRISON, F. Everett, The Wycliffe Bible Commentary, Moody Press, 1990.
BRUCE, F. Fyvie, Comentário Bíblico NIV, 2009, Editora Vida.
STEIN, Robert H., The New American Commentary: An Exegetical and Theological Exposition of Holy Scriptures, B&H Publishing Group, 1992.
BROWN, Francis, BRIGGS, C. DRIVER, S.R. The Brown-Driver-Briggs Hebrew and English Lexicon, Hendrickson Publishers, 1996.
ALMEIDA, João Ferreira, Edição Corrigida e Revisada, Fiel ao Texto Original, Sociedade Bíblica do Brasil.

0 comentários:

Postar um comentário

Antes de comentar, queira ler os artigos Critérios para se Aprovar Comentários e Respostas à Alguns Comentários. Obrigado pela visita e pela participação!

Comentarios Recentes

Compartilhe este Artigo

Delicious Digg Facebook Favorites More Stumbleupon Twitter

Search Our Site