quinta-feira, 28 de junho de 2012

Assistam esse discurso público feito em uma congregação das Testemunhas de Jeová e analisem a lavagem cerebral feita nos membros para induzí-los a excluirem as pessoas do convívio social, caso alguém passe a discordar de seus ensinos. Vejam que, desde o início, é programado um RACIOCÍNIO que leva o membro a aderir esse conceito repugnante de preconceito religioso. Eles não permitem que você tenha seu próprio conceito sobre essa questão, de que não se pode mais “ter convivência” com alguém que deixa de ser TJ. Perceba, também, que o palestrante não deixa ninguém falar nada, todo o discurso é dado como ORDEM e eles dizem que isso vem de Deus... Jeová falou e está falado, ninguém pode questionar; quem não fizer o que o palestrante está dizendo pode ser expulso também das TJ.

Em dado momento, o palestrante diz que excluir a pessoa socialmente, por deixar de ter convívio com ela, tem um efeito benéfico, pois, na cabeça deles, o desassociado, por perder a religião, a relação com Deus, as amizades com os irmãos e irmãs e até com membros da família, vai ficar com remorso e vai voltar abanando o rabinho pedindo para ser aceito novamente. Embora ele diga que isso funcionado,  é a mais pura mentira. Pode até funcionar com meia dúzia de maria- -mole, mas a grande maioria quando recebe esse tratamento tem como único sentimento o arrependimento, mas não de ter cometido algum pecado e sim de ter, um dia, feito parte dessa palhaçada. De todos os desassociados e dissociados que eu conheço e tenho amizade, nunca, nenhum se sentiu inclinado a voltar devido a esse tratamento malévolo. Assistam e tirem suas conclusões:



Mais ou menos em 22:55, o palestrante diz que quando os membros da família não moram na mesma casa, estes devem cortar TODOS os relacionamentos, ou pelo menos restringir ao mínimo possível de contato e admite que é difícil ter que REPUDIAR os pais; ao reconhecer que o termo “repudiar” é muito forte, o mesmo substitui por outras palavras.

Não poderia descrever para vocês o meu coração ao ouvir essas palavras! E em pensar que eu já subi ali em cima para dizer exatamente o que ele está dizendo. Lamentável o que a religião pode levar as pessoas a fazerem!

8 comentários:

  1. http://jeovaeamor.blogspot.com.br/2011/12/expectativas-que-tivemosbreve-resumo.html

    ResponderExcluir
  2. http://jeovaeamor.blogspot.com.br/2011/12/porque-nao-pode-falar-com-testemunhas.html

    ResponderExcluir
  3. Não precisa entrar em conflito administrador; seu blog é muito bom, dei uma olhada rápida nele e voltarei mais vezes.

    Quanto a discussão, é ruim ver que ela foi para o lado da agressão pessoal de ambos os lados, sem se basear em argumentos sólidos. Acho que o melhor a fazer nesse caso é se tornar indiferente, creio que criticar os erros ortográficos do outro leitor é entrar em um campo indesejável de ofensas mútuas. Infelizmente mesmo que o leitor não se tenha baseado em argumentos sólidos ainda acho triste esse tipo de crítica a formação cultural do mesmo, pois todo sabemos das condições educacionais de nossos país, e da desigualdade do mesmo.

    Seja indiferente as ofensas pessoais dele, creio que assim é bem mais eficaz.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você tem razão Nicolas, o problema é que ainda é difícil ouvir essas coisas e ser indiferente, principalmente por ver a qualidade cultural dessas pessoas e vê-las menosprezar e mim e a você por não sermos Testemunhas de Jeová.

      Ás vezes, termina sendo aquela história de que cada um tem de mim aquilo que cativou. Dificlmente uma TJ entra aqui de forma pacífica, e vendo a gradeza dos erros deles, eu fico indignado quando os vejo "cantando de galo".

      Obg pelo conselho Nicolas e seja bem vindo ao blog.

      Excluir
  4. Percebe-se que o orador é habilidoso em fazer perguntas que tenham como resposta óbvia o "sim". Dessa forma se consegue, passo a passo, a concordância do auditório. Além disso, interpreta deturpadamente a parábola do filho pródigo de modo apenas a justificar o ostracismo em relação a dissassociados. Com certeza quem escreveu a parábola não tinha essa intenção em mente. Cortar relação é ajuda? hahahha que piada... me lembrou aquele filme, 1984.

    ResponderExcluir
  5. Em uma revista recente de estudo de "A Sentinela" de 2013, em artigo falando sobre os "benefícios" da desassociação/dissociação, quem redigiu o artigo, cometeu um grande erro. Ele, ao dar um daqueles exemplos de pessoas que voltaram ao convívio com seus "irmãos", cometeu o deslize de escrever mais ou menos assim:

    "Certa fulana, que estava desassociadas já por 5 anos, chegou a conclusão que somente teria contato novamente com seus parentes amados, caso de reconciliasse com Jeová."

    Não lembro se era exatamente este texto - assim que encontrar o artigo eu irei posta-lo - mas, fiquei pasmo de isso ter sido colocado por escrito, pois é isso que exatamente acontece. Ocorre uma forma de chantagem emocional e a pessoa, por não mais suportar a dor da separação acaba voltando e se sujeitando aos "da dianteira". Claro que os que se dissociam, a volta por esta razão é bem mais rara.

    Ésta doutrina, criada para deixar, principalmente os que saem por razão de consciência no ostracismo e serem evitadas pelos membros, a fim de não se exporem às verdades descobertas pela pesquisa.

    ResponderExcluir
  6. qualquer um que quer em seu convívio pessoas de boa moral e dignas se afastam de dessasociados que por decisão se tornaram imorais e negligentes à princípios bíblicos,indiferente se for parente ou não ninguém quer perto de sua esposa e seus filhos pessoas imorais,violentas,beberrão, pessoas que que tinham a mesma fé e compartilhavam os mesmo ideais são amigos mas a partir do momento que este ou esta se torna imoral e hipócrita ninguém é obrigado a conviver com tal pessoa, então, em vez de criticar que siga seu caminho e encontre amigos que compartilham da mesma vida devassar que vocês...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pra um fanático, pensar assim é natural. Agora me diga, então todo mundo que você se associa no seu trabalho, que você conversa, ou na universidade, ou na rua, são pessoas honestas, santas e puras como você pensa? Mas mesmo assim você fala com elas...

      Quando uma pessoa comete um erro é exatamente neste momento que ela precisa de pessoas perto para ajudá-la a mudar de pensamento. Outra coisa, tem pessoas quem têm uma moral impecável, muito mais que os hipócritas do Salão do Reino e recebem o mesmo tratamento discriminatório pelo simples fato de não acreditar mais no que vocês pregam. Então não me venha que fazem isso porque vocês são santos, fazem porque são hipócritas descriminadores, totalitaristas, religiosos fanáticos... este é o motivo.

      Excluir

Antes de comentar, queira ler os artigos Critérios para se Aprovar Comentários e Respostas à Alguns Comentários. Obrigado pela visita e pela participação!

Comentarios Recentes

Compartilhe este Artigo

Delicious Digg Facebook Favorites More Stumbleupon Twitter

Search Our Site