segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Se você chegou nesse blog diretamente por essa postagem, queira ver o contexto desse estudo em Hórus Foi Crucificado?
HÓRUS, OSÍRES, JESUS, CRUCIFICAÇÃO

No estudo anterior (Cf. A Cruz na Adoração do Sol) observamos que a cruz é um sinal astroteológico usado na adoração do sol no Antigo Egito. Vimos também que Hórus (3.100 A.C) é descrito cruzando os céus e de braços abertos, sendo essa forma semelhante à cruz. Nessa postagem, observaremos a “crucificação” de Hórus em seu valor astroteológico para os egípcios.

§ 4 Hórus Crucificado

Antes de entrar nessa parte, precisamos explicar o que se entender pela palavra “crucificar”.

CRUZ, SOL, PAPA, HÓRUS, PAGÃO
Cruz Solar Católica
O verbo “crucificar” vem de crucifigere em latim, que significa simplesmente “fixar a uma cruz” (crux (cruz) + figere (prender)) e não significa “ser morto por romanos pendurado em uma cruz com pregos enfiados nas mãos e nos pés” como no caso do que é retratado nos Evangelhos. Portanto, ser “crucificado” originalmente se refere à imagem de um deus ou homem, simplesmente fixado a uma cruz, como em um crucifixo, ou em posição de cruz, ereto com os braços abertos. Ao discutir a “crucificação”, então, o ponto a ter em mente é a afirmação de que várias lendas míticas retratam um deus com os braços estendidos, ou o sol com seus raios em uma cruz, muito tempo antes do Cristianismo. Novamente, não estamos afirmando que os criadores do mito cristão tenham literal e simplesmente riscando o nome de Osíris, ou o nome de Hórus, e substituído com o nome de Jesus, tendo um mito já pronto, mas estamos afirmando que os criadores do mito cristão combinaram características judaicas com pagãs ao criar a figura do salvador da humanidade que morre em uma cruz pelos nossos pecados.

Voltando ao nosso sentido de “cruficicação”, Tertuliano (ca. 160 - ca. 220 d.C), um dos principais Pais da Igreja, comentando sobre a história gnóstica de Sofia, diz que ela [i.e Sofia], foi “crucificada”. (Tertuliano, Against Valentinians, X) Lógico que, ao dizer isso, Tertualiano não queria dizer que Sofia tinha sido uma pessoa histórica, que viveu entre os homens e morreu em uma cruz, mas que sua crucificação é um emblema.

4.1 Cristãos Gnósticos

Uma das mais antigas formas do Cristianismo são os chamados cristãos GNÓSTICOS. O termo “gnóstico” é muito abrangente, incluindo várias denominações cristãs primitivas. Entre estes, estavam os Valentinianos, um grupo de cristãos existentes no Egito (200 d.C) que, devido às semelhanças entre Jesus e Hórus, logo associaram os dois deuses. Uma vez que Horus é retratado com a ankh, ou seja, a cruz representativa da vida eterna, Hórus virou sinônimo de Jesus. Para os primitivos cristãos que moravam no Egito as semelhanças Jesus-Hórus eram tão grandes que a Enciclopédia Britânica comenta que a figura de Hórus “era frequentemente assimilada em dias posteriores ao Redentor Cristão.” (EB, XXVII, 854)

Um dos principais motivos pelos quais os cristãos egípcios gnósticos terem assimilado Jesus, o Redentor Crucificado, com Hórus é que este último é chamado de “sol da justiça” (Cf. Egyptian God Ra), é retratado cruzando os céus (Faulkner, EACT, II, 2), dando vida e luz aos humanos, e logo após a sua “crucificação” (Assman, ESRNK, p. 51, 97), ele morre no horizonte, sendo trazido de volta à vida no dia seguinte.

Hórus de Braços Abertos
Hornung comenta que “Hórus se mostra em uma imagem de falcão cujas asas cobrem os céus” (Hornung, CGAE, p. 124) e mais adiante ele diz que Hórus, o Ancião, é “o antigo deus dos céus, cujas asas se estendem para toda a terra.” (Hornung, VK, p. 59) Com essa imagem, observamos Hórus na forma de uma cruz. Acrescentando a isso, no livro Egyptian Antiquities in the British Museum, Dr. Samuel Sharpe descreve um papiro com imagens de Hórus na “abóboda do céu” com seus “braços estendidos”. (Sharpe, EA, p. 149) Sharpe ainda descreve uma das imagens de Hórus em cruz da seguinte forma:
Encontramos a abóbada do céu representada não pela asas estendidas de qualquer deus que Tebas [Amen / Amun], ou de Neith a rainha da Sais, mas pelos dois braços da Hórus, com a cabeça pendurada para baixo, como o Todo Poderoso é pintado por alguns dos primeiros mestres italianos. (Sharpe, EMEC, 83-84.)

Aqui, o especialista Sharpe fica impressionado com as similaridades icnográficas de Jesus e Hórus na cruz. Assim, de forma abstrata e teológica, Hórus é visto como o deus sol crucificado. Além disso, William Williamson diz:
A cruz... é uma símbolo da mais alta antiguidade, mas a representação de uma figura com mãos e pés perfurados com pregos pertencem a um período posterior. A mais antiga descrição da atitude de crucificação é a figura de um deus na abóboda dos céus, com braços estendidos, abençoando o universo. (WILLIAMSON, p. 52)

Alguns dos principais Pais da Igreja, como Tertuliano, Minucius e Justino, o Mártir (100 - 165 d.C.) , confirmaram que a imagem de um deus “crucificado” estava atrelada a imagem dos deuses solares que eram descritos com os braços estendidos.

Com esse argumento em mente, ou seja, de Hórus com os braços estendidos em forma de cruz sendo simbolicamente “crucificado”, a primeira coisa que um cristão pode argumentar é que o mito de Hórus não ensina que ele morreu crucificado, que Hórus não foi preso literalmente em uma cruz de madeira, morreu e ressuscitou. O próprio livro Christ in Egypt, de D.M Murdock, comenta que Hórus morreu de uma picada de escorpião e seu pai, Osíris, esquartejado. (p. 335)

Os evangélicos, e cristãos no geral, podem argumentar que, embora a cruz seja literalmente presente em todos os aspectos da adoração de Hórus, seu uso era metafórico e simbólico, quanto o de Cristo é histórico e real.

Bom, contra isso argumentamos dois pontos:

1. Valor Teológico
2. Característica Mitológica

Quando falamos de “valor teológico” queremos dizer que até mesmo dentro da própria teologia cristã a cruz é anunciada metaforicamente em partes do Antigo Testamento.

Muitos textos são usados pelos cristãos para mostrar que a ideia da crucificação estava presente no AT. No entanto, irei abordar apenas dois Êxodo 17.11-12 e Número 21:9. Veja também baixo alguns sites que mencionam que a metáfora da cruz é encontrada no Antigo Testamento.

Cf. Story of the Cross in the Old Testament
Cf. The Cross in the Old Testament
Cf. Image of the Cross in the Old Testament
Cf. Old Testament Reference to the Cross

Na teologia existe um termo chamado de “prefiguração”. A prefiguração é quando algo ocorria no AT que tinha um equivalente no NT, assim dizíamos que algo no AT prefigurou alguma coisa no NT.

Ex.: A Arca de Noé prefigurava a Igreja Cristã.

Ao dizer isso, queremos dizer que assim como Noé chamava as pessoas para dentro da Arca para ser salvas, os cristãos chamam pessoas para dentro da Igreja simbolicamente, para ter a salvação ao aceitar Cristo.

Moisés Prefigurando a Cruz
Tendo isso em mente, em Êxodo 17:11-12 Moisés é descrito com os braços estendidos. Como foi observado anteriormente, a cruz é uma forma antropomórfica, ou seja, se assemelha ao corpo humano com os braços abertos. Dessa forma, os teólogos cristãos desde há muito veem nisso a imagem da cruz. Na Epístola de Barnabé, antigo escrito cristão apócrifo, se diz que Moisés estendeu bem seus braços e Israel começou a conquistar a vitória. (STANIFORD, p. 173) Justino disse em Diálogo com Trífo (p. 90) que “as mãos esticadas de Moisés significavam a cruz antecipadamente.” (Roberts, A. ANF, I, 244)

O próprio Jesus disse que passagens do AT prefiguravam sua Cruz. Em João 3:14 Jesus diz:
“E, como Moisés levantou a serpente no deserto, assim importa que o Filho do homem seja levantado; ” (ACF)

Em Números 21:9 Moisés ergue em um poste uma serpente que cura os israelita dos males afligidos à eles. Segundo o próprio Jesus, esse relato prefigurava a crucificação, onde ele seria “erguido” na cruz.

Dessa forma, se eventos no AT são aceitos como concepções antecipadas da crucificação, porque todas as características já comentadas de Hórus e a cruz não podem também ser aceitadas como ELEMENTOS característicos de um mesmo mito?

Cristo Redentor - RJ Brasil
O segundo argumento, chamado de “característica mitológica”, aponta para algumas coisas já mencionadas. Na formação de um mito, algumas características são introduzidas e não uma cópia idêntica é feita. Os que alegam que o Jesus dos Evangelhos é um mito não estão afirmando que ele nunca existiu, ou que ele é apenas um mito e nada mais, não. O que afirmamos é que as histórias contadas sobre ele nos Evangelhos são um mito que apresenta as mesmas CARACTERÍSTICAS encontradas nos mitos ao redor do mundo, em especial do Egito.

Na astroteologia dos egípcios, Hórus é descrito em forma de cruz e simbolicamente com seus braços abertos abençoando o universo. Após “cruzar” os céus como um deus solar, ele metaforicamente morre e ressuscita. Estes são CONCEITOS iguais aos acontecimentos que os cristãos creem ser históricos. Afinal, se o próprio Cristo viu nos eventos do AT o CONCEITO da crucificação, sendo a mesma aceita por séculos entre os cristãos, porque a o CONCEITO de crucificação na adoração de Hórus não é tida como similar em CONCEPÇÃO?

Esse estudo continua em Crucificação na Mitologia Pagã

20 comentários:

  1. O seu blog é inspirador! Parabéns mesmo, admiro muito seu trabalho!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obg Carneiro, comentários como esse me dão incentivo para continuar a escrever.

      Abç!

      Excluir
    2. Hórus não é deus do sol, deus solar. Hórus é o deus dos céus. Ele tiha uma cabeça de falcão na qual um olho representava a lua e o outro representava sol.

      Excluir
    3. Kd suas referências?

      "Horus served many functions in the Egyptian pantheon, most notably being the god of the sun, war and protection." (WIKIPÉDIA)

      Excluir
    4. Veja a seção "papéis mitológicos" na sua própia referência. Lá consta a correção do Anônimo acima.

      Excluir
    5. Se ele é um deus solar deveria encontrar algo diferente? O sol fica aonde? Para mais outra refutação veja o livro Egyptian Myth: A Very Short Introduction
      de Geraldine Pinch p. 543.

      Excluir
  2. http://verdadereoculta.blogspot.com.br/2010/01/zeitgeist-grande-farsa.html

    ResponderExcluir
  3. O blog está muito bom mesmo, com várias referências, continue assim.

    ResponderExcluir
  4. Sem dúvida seu blog é interessante. Me parece que esse pessoal que escreveu o mito cristão eram os maiores especialistas em história antiga de todos os tempos! E olha que nem havia internet, imagina se houvesse!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahaha... verdade! Muito boa sua colocação!

      Excluir
    2. Não havia internet, mas havia comércio, eles moravam peto do Egito, alguns dias de viagem a pé, e o próprio Jesus morou no Egito

      Excluir
  5. vcs sao loucos, querm distorce a bibllia, isso e´´´´´´´´ mitooooooooooooo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu bolo de rir com vcs cristãos rsrsrs... então somos loucos? tá bom, beijinho da xuxa pra vc.

      Excluir
  6. CRUCIFICAÇÃO E RESSURREIÇÃO
    Apesar de ter morrido, nunca é mencionado sobre Hórus ter sido crucificado. A única conexão que podemos fazer de uma ressurreição de Hórus é se considerarmos a eventual fusão dele com Osíris. Mas tal teoria resulta numa situação muito problemática, aparentemente percebida pelos egípcios a medida em que posteriormente alteravam suas crenças a fim de corrigir as contradições. Na história egípcia, Osíris ou é mutilado por Set na batalha ou trancado numa caixa e afogado no Rio Nilo. Ísis então junta novamente as partes do corpo de Osíris e o ressuscita para gerar um herdeiro que irá vingar a morte do pai (embora tecnicamente Osíris na realidade nunca tenha sido ressuscitado, pois ele é proibido de regressar ao mundo dos vivos).Mas ele nunca voltou entre os vivos e reinou apenas sobre os mortos. Esse deus revivido é, na realidade, um “deus-múmia”, já que,Seu corpo não retornaria dos mortos; apenas poucos elementos de sua personalidade – seus Ba e Ka – é que continuariam pairando sobre seu corpo.
    Hórus não foi ressuscitado. Não existe nenhuma narrativa de Hórus saindo do túmulo com o mesmo corpo de quando entrou. Alguns relatos narram Hórus/Osíris sendo trazidos de volta à vida por Ísis e sendo o senhor do submundo (dos mortos).

    "[Set] trouxe uma caixa bem talhada e decorada que ele havia projetado para ser feita de acordo com as medidas do corpo do rei... Set proclamou que ele presentearia a caixa ao rei cujo corpo ajustou-se às medidas com precisão... Em seguida, Osíris se apresentou. Ele deitou-se na caixa, preenchendo-a em cada parte. Mas obviamente foi sua vitória conquistada naquela hora trágica que determinou sua morte. Antes que ele pudesse levantar, os malignos seguidores de Set surgiram repentinamente diante dele e fecharam a tampa, pregando rapidamente a caixa e soldando com chumbo. Portanto, a caixa ricamente decorada tornou-se o caixão do bom rei Osíris, de quem o sopro da vida se esvaiu."

    Segundo escritos atuais Hórus não morreu por crucificação. Há vários relatos da morte de Hórus, mas nenhum deles envolve a crucificação.

    Fontes:
    - "The Oxford Essential Guide to Egyptian Mythology", Editado por Donald B. Redford, artigo de Edmund S. Melzer, p. 167, 2003
    - E.A Wallis Budge, "Egyptian Religion"
    - "How to Read Egyptian Heiroglyphs", Mark Collier e Bill Manley, British Museum Press, p. 42, 1998
    - David J. MacLeod. The Emmaus Journal. Volume 7 #2, Winter 1998, p. 169
    http://www.sacred-texts.com/egy/tut/tut05.htm
    http://www.pantheon.org/articles/h/hathor.html
    http://www.sacred-texts.com/egy/leg/leg22.htm
    http://www.sacred-texts.com/egy/leg/leg08.htm
    http://www.sacred-texts.com/egy/pyt/pyt54.htm
    http://www.pantheon.org/articles/o/osiris.html
    http://www.sacred-texts.com/egy/eml/eml05.htm
    http://www.sacred-texts.com/egy/pyt/pyt37.htm
    http://www.sacred-texts.com/egy/ebod/ebod18.htm
    http://www.sacred-texts.com/egy/eml/eml05.htm

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. “Apesar de ter morrido, nunca é mencionado sobre Hórus ter sido crucificado.”

      R.: Um dos grandes problemas das pessoas que entram aqui para debater é que me parece, sinceramente, que elas, ou não leem o artigo, ou simples não compreendem. Crucificação pode ser também apenas um conceito. A dúvida não é na historicidade da crucificação de Jesus, ele foi, deveras, crucificado literalmente, mas o significado de sua crucificação é a mesma encontrada nas crucificações metafóricas nos mitos, como no de Tamuz. No artigo eu disse:

      Voltando ao nosso sentido de “cruficicação”, Tertuliano (ca. 160 - ca. 220 d.C), um dos principais Pais da Igreja, comentando sobre a história gnóstica de Sofia, diz que ela [i.e Sofia], foi “crucificada”. (Tertuliano, Against Valentinians, X) Lógico que, ao dizer isso, Tertualiano não queria dizer que Sofia tinha sido uma pessoa histórica, que viveu entre os homens e morreu em uma cruz, mas que sua crucificação é um emblema.

      Sofia é um conceito, não é uma pessoa histórica, então te pergunto, por que um dos principais pais apostólicos diz que ela foi crucificada? É necessário que a Sabedoria, tenha sido materializada e tenha sido literalmente crucificada? Até hoje dizemos metaforicamente que alguém foi crucificado por alguma pessoa, no sentido de ter sido criticado, perseguido, etc, e não necessariamente ter sido pregado em um madeiro.

      Em suas notas bibliográfica há um grande contradição. Você mencionou E.A Wallis Budge, no livro Egyptian Religion, e, no entanto, essa grande autoridade afirma categoricamente a crucificação de Hórus e muita e muitas outras conexões com Jesus Cristo, principalmente no capítulo VIII, intitulado THE LEGEND OF THE DEATH AND RESURRECTION OF HORUS, AND OTHER MAGICAL TEXTS

      “A única conexão que podemos fazer de uma ressurreição de Hórus é se considerarmos a eventual fusão dele com Osíris.”

      R.: E qual o problema, uma vez que eram deidades intercambiáveis?

      “Hórus não foi ressuscitado. Não existe nenhuma narrativa de Hórus saindo do túmulo com o mesmo corpo de quando entrou. Alguns relatos narram Hórus/Osíris sendo trazidos de volta à vida por Ísis e sendo o senhor do submundo (dos mortos).”

      R.: Primeiro, meu artigo não está falando de ressurreição de Hórus. Pretendo posteriormente falar sobre o assunto. Apesar de não se dizer cristão, seus argumentos são cem por cento a favor da historicidade da ressurreição de Jesus Cristo, então, acho que tem alguma coisa errada aqui. Como você acredita que Jesus saiu da tumba de carne e osso e mesmo assim não é cristão? Mais uma vez, a crucificação de Hórus e a Ressurreição de Osíris são CONCEITOS e não coisas históricas e assim são as similaridades. O próprio Budge escreveu um best-seller de dois volumes falando só sobre a Ressurreição de Osíris.

      “Segundo escritos atuais Hórus não morreu por crucificação. Há vários relatos da morte de Hórus, mas nenhum deles envolve a crucificação.”

      R.: Você não vê similaridade porque imagina que é preciso encontrar um texto dizendo que Hórus foi preso, julgado e que o pregaram na cruz. Mas não é assim eu funciona a influência literária-mitológica. São os conceitos e pensamentos astroteológicos que são semelhantes. Felizmente, Budge, no artigo mencionado, descorda fortemente de sua opinião.

      Obg pela contribuição ao blog.

      Excluir
  7. veja isso: https://www.youtube.com/watch?v=Ue1g-jQdsws

    ResponderExcluir
  8. agora vai la e convence o mundo dessa merda que você colocou no teu blog.
    já até vejo a resposta: nem todos tem a sabedoria para enxergar!!
    como próprio Cristo disse são como vento, não se sabe para onde vem nem para onde assopras.
    como posso descrever algo para alguém que nunca sentiu a presença de Deus?
    é como explicar o sabor de uma maçã sem que a pessoa nunca tenha experimentado uma!
    e mais uma coisa, a passagens nas escrituras que anunciam a vinda do messias antes mesmo da existência de horus ou do Egito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anonimo,
      Creio que o Eduardo só consiga convencer o mundo se o mundo assim o quiser, concordar com ele.
      Essa passagem que você citou é João 3:8? Se for, está fora do contexto, pois ela se refere aos nascidos do espírito e não de algum néscio( que nem de longe se enquadra no perfil de Eduardo).
      Querer descrever algo metafisico é deveras complicado. Sem contar que como você sabe que o Eduardo nunca passou por isso? Leia outras respostas dele por aqui e você talvez se surpreenda.
      E quanto a essas passagens que anunciam um messias, concordo, aconteceram, só não sei(e não acho) que se referiam a Jesus.
      Abraço.
      Leandro Paz

      Excluir
  9. O blog é muito interessante. É importante argumentar, até com i
    déias divergentes, se for com coerência.
    Mas faça-meo o favor, sejam corajosos e se identifiquem nos comentários.

    ResponderExcluir
  10. A "crucificação" de Hórus e Jesus seriam semelhantes somente se desconsiderarmos a representação de cada um: HÓRUS crucificado encontra-se em momento de GLÓRIA e JESUS encontra-se um posição de PADECIMENTO, HUMILHAÇÃO E INFERIORIDADE.

    Acho que esse argumento refuta pelo menos essa provável crucificação de Hórus que não passa de mera interpretação e não representa um fato histórico.

    ResponderExcluir

Antes de comentar, queira ler os artigos Critérios para se Aprovar Comentários e Respostas à Alguns Comentários. Obrigado pela visita e pela participação!

Comentarios Recentes

Compartilhe este Artigo

Delicious Digg Facebook Favorites More Stumbleupon Twitter

Search Our Site